A Internet das Coisas (IoT) – a revolução silenciosa

Internet of Things IoTA comunicação de dados está cada vez mais por todo o lado, e isso já não nos espanta. Os smartphones, tablets, SmartTV’s, a internet nos carros ,o media digital, o WiFi acessível em qualquer lugar … tudo isso faz já parte do nosso quotidiano. Mas uma revolução surda passa-se nos bastidores: é a “internet das coisas”!

Continue reading “A Internet das Coisas (IoT) – a revolução silenciosa”

Anúncios

Portugal quase no “top ten” da ciência europeia

in A Estátua de Sal

Este artigo e esta temática são uma bofetada sem luva no paspalho do Dijsselbloem. Andamos nos copos, como ele diz, e ainda conseguimos estar à frente da Alemanha e da França no ranking da ciência, a nível europeu. É obra. É o lado positivo da notícia. Só resta perguntar em que lugar estaríamos se entre 2011 e 2015 o governo de Passos não tivesse empreendido uma política de destruição da ciência nacional, como provam as estatísticas, sobretudo impulsionando os mais jovens e promissores cientistas a emigrar. Qualquer que seja o dossier que analisemos, constata-se que a governação pafiosa foi o maior desastre que aconteceu ao país, atrevo-me a dizer, desde os tempos de D. Afonso Henriques. Nem o terramoto de 1755 foi tão pernicioso.

(tcarlos@uc.pt, Professor universitário)
In Estátua de Sal, 05/04/2017

Continue reading “Portugal quase no “top ten” da ciência europeia”

15 Blogging post tools – na Smashing Magazine

A Smashing Magazine, bem conhecida de todos os que de algum modo trabalham ou usam a internet, não deixa de nos presentear com excelentes posts em que se analisam colecções de ferramentas, conselhos e sugestões em grupo. A escolha é muita, mas deixo para os blogueiros a chamada de atenção para este artigo:

15 Desktop Blogging Tools Reviewed

De entre os restantes, uma série dos mais interessantes são:

Beautiful Brochures and Booklets
50 Beautiful Blog Designs
(Really) Stunning Pictures and Photos
Beautiful Examples of Moleskine Art

Uma delicia para os olhos e  para a mente…

Designers II – Carlos Aguiar

Natural do Porto e licenciado em Engenharia Mecânica pela FEUP, estudou posteriormente Arquitectura na Escola Politécnica Federal de Lausanne, na Suiça, e na Faculdade de Arquitectura da UP. Realizou uma pós graduação em Design de Equipamento e Produtos no Instituto de Design da Universidade do Porto. Obteve o grau de Mestre em Desenho Industrial pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Finaliza actualmente o doutoramento em Design na Universidade de Aveiro.

Leccionou na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, no Instituto Superior de Engenharia do Porto, no Instituto de Design da Universidade do Porto, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo e é actualmente professor convidado da Universidade de Aveiro, no Departamento de Comunicação e Arte sendo um dos responsáveis pela condução pedagógica da Licenciatura em Design.

Em 2005 é nomeado Director da Licenciatura em Tecnologia e Design de Produto da Escola Superior Aveiro Norte e coordena a equipa que elabora em 2005 e 2006 os novos programas de Projecto dos cursos de Design de Produto do Ensino Artístico Especializado do 11º e 12º ano do ensino secundário. Desde 1992 é Consultor Sénior do Centro Português de Design e desde 2007 é Director Geral de Design e Desenvolvimento de Produto das empresas do Grupo Cifial.

Detentor de vários prémios, principalmente na àrea de design industrial, recebeu por exemplo, em 2006 o prémio “Good design G-Mark”, atribuído pela primeira a um português, pelo Japan Industrial Design Promotion Organization, graças ao seu trabalho na garrafa portátil de gás propano CoMet (Composite Metal), para a empresa AMTROL-ALFA de Guimarães.

Dedica-se a uma abordagem global do design industrial, cobrindo desde o projecto dos artefactos à definição de estratégias de gamas e seu posicionamento na oferta das empresas, até aos ambientes e abordagens gerais de imagem corporativa.

Recursos

ED – Escritório de Design (Carlos Aguiar)

Curriculum – Noticia

“Lorem ipsum dolor sit amet”

Durante anos fui encontrando, e fui-me perguntando que raio de texto seria este “Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr…”, que via espalhado por todos os projectos gráficos e de paginação, layouts e design de websites,  e até em ficheiros .dot do word, do velhinho Page Maker ou em inumeras ferramentas graficas e de paginação digital.

… história curiosa a que encontrei.

Depois disso, e por muitos anos, tenho passado horas da minha vida a responder a inumeras pessoas, à pergunta   “que raio de texto é este “Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr” que aparece por todo o lado… pois bem… aqui fica a explicação, para os mais curiosos.

O texto “Lorem ipsum” (ou “lipsum” – como lhe chamam coloquialmente os anglo-saxonicos) é simplesmente um texto falso, sem sentido, standard da indústria tipográfica para representar manchas de texto, no design grafico e visual. É também utilizado como um “place-holder” em desenhos e projectos graficos, em que o texto ainda tenha que vir a ser composto ou escrito, e inserido posteriormente no produto final. A este tipo de utilização chama-se também greeking.

A sua origem remonta ao ano de 1500, em que um impressor tomou uma passagem (secções 1.10.32 e 1.10.33), do tratado latino de ética “De finibus bonorum et malorum” (“Sobre os objectivos dos bons e dos maus”, em tradução literal), escrito por Marcus Tullius Cícero em 45 a.C (há mais de 2000 anos), livro este bastante popular durante a época Renascentista, e misturou o texto de forma a criar um livro de fontes tipográficas, em que o texto fosse ilegivel. O objectivo era criar uma mancha de texto em que a atenção não fosse desviada pela sua leitura.

O texto manteve-se em utilização todos estes mais de 500 anos e passou naturalmente a ser utilizado pela indústria de edição electrónica.

A primeira linha do texto “Lorem ipsum dolor sit amet…” pode ser lida da primeira linha da secção 1.10.32 do original, que é a seguinte: “Neque porro quisquam est qui dolorem ipsum quia dolor sit amet, consectetur, adipisci velit”, ou seja “Não há ninguém que goste da dor em si mesma, que a procure e a queira ter, apenas porque seja uma dor…”.

O texto “Lorem ipsum” é pois um texto falso, ilegivel. E esta é a razão do seu uso.

Está há muito estabelecido que qualquer leitor é distraido pelo conteudo do texto de uma página, quando analisa o seu layout. Quando se pretende focar a atenção no layout propriamente dito, um texto com sentido seria completamente contraproducente, pois desviaria a atenção dos elementos graficos e de layout

Por contrapartida é também sabido que o contrário também se aplica: um layout grafico exuberante (ou desapropriado), geralmente desvia a atenção do significado do próprio texto, tornando-o ineficaz… mas isso já é outra história… e bem mais complicada!

A razão porque o texto lorem ipsum resulta, é porque apesar de não ser um texto com qualquer sentido, ou palavras reconheciveis, contem ainda assim uma distribuição bastante uniforme de letras e palavras, muito semelhante a um texto real.

Por outro lado, mas seguramente não menos importante (…e que o digam alguns designers gráficos, tipógrafos e revisores!),  é mais seguro usar “Lorem ipsum” como texto falso, do que qualquer referencia menos elegante a um politico conhecido, ou algum texto politicamente incorrecto … apenas para o caso de alguem se esquecer de o trocar pelo texto definitivo, antes da publicação…

Recursos

http://en.wikipedia.org/wiki/Lorem_ipsum
http://www.lipsum.com/
http://www.loremipsum.net/translations.html