Lumix GF7

Há gadgets (como há peças de design) sobre os quais não é preciso dizer muito. Este é um desses casos. A Lumix GF7 é uma máquina fotográfica intemporal.

Intemporal porque, no aspecto, é completamente retro, recriando as câmaras dos anos 70. Intemporal porque, na tecnologia, incorpora tudo o que se lhe poderia exigir.

panasonic lumix gf7 retro fotografia

Touchscreen LCD de 3 polegadas, que roda 180 graus, para selfies e fotografias difíceis;  Também para selfies e fotografias de grupo, um Self Shot Mode que detecta e foca automáticamente as faces antes de disparar, apenas pelo aceno de uma mão. Sensor Digital Live MOS de 16 megapixel, com capacidade para ambientes de radicalmente baixa luminosidade, e um sistema de AF de alto contraste inigualável. Vídeo HD total com Dolby Digital audio. WiFi interno de funcionamento flexível (o vídeo pode ser guardado directamente em armazenamento remoto). Compatível com a larga gama de lentes Micro Four Thirds.

Guardar

Anúncios

“Box” da Bot & Dolly

Box - The Creators Project - Vice MagazineO uso de projecções mapeadas, sobre superfícies ou objectos estáticos, normalmente grandes fachadas de edifícios, ou superfícies sólidas de objectos 3D, tornou-se já relativamente comum, seja em concertos musicais, festivais, feiras, seja ainda na simples animação de espaços, quer em grandes espaços públicos, em animação de rua, ou em animação de edifícios.

Porém a criatividade não deixa de nos surpreender! E é o caso do conceito “Box”, realizado pelo colectivo Bot & Dolly, no âmbito do “The Creators Project”, em que a projecção mapeada ganha novas dimensões, quando a projecção é efectuada sobre superfícies ou objectos móveis!

Continue reading ““Box” da Bot & Dolly”

Flash ou Shockwave?

macromedia shockwave playerFlash e Shockwave são duas tecnologias originárias na Macromédia. Actualmente, após aquisição, são detidas e desenvolvidas pela Adobe, ambas largamente usadas na internet. Até aqui, e geralmente, todos o sabem.

Em geral todos reconhecem conteúdos Flash, tipicamente animações ou àreas interactivas num website e até, quantas vezes, web sites integralmente realizados em flash. Eventualmente alguns de nós reconhecem a tecnologia Shockwave, principalmente em aplicações web do tipo jogos online, aplicações gráficas animadas ou interactivas, e em geral onde uma grande carga de programação é percebida, com animação de gráficos.
Continue reading “Flash ou Shockwave?”

eLearning – Os novos recursos de aprendizagem

Elearning_Publishing_jpg

O eLearning (ensino por meios electrónicos)  começou a aparecer faz já uma década. Uma tendência que acelerou nos últimos anos, só agora, no entanto, está a atingir a maturidade. As ofertas multiplicam-se na internet, seja para estudo online, ou offline, desde simples cursos específicos de iniciação, até programas completos de graduação universitária, aos vários níveis.

As grandes instituições universitárias de todo o mundo (principalmente do mundo anglófono, onde se salientam sem qualquer sombra de dúvida, o Reino Unido e os EUA) oferecem online vários dos cursos ministrados presencialmente, e em certos curriculuns até alguns dos graus concedidos presencialmente. Pode-se hoje fazer um curso ou grau universitário sem sair de casa. E sendo ainda um campo em que as evoluções estão a ser permanentes, conforme as plataformas vão sendo cada vez mais “user friendly” e proporcionando mais e mais avançados recursos, as surpresas e novidades não vão parar nos tempos mais próximos.

Continue reading “eLearning – Os novos recursos de aprendizagem”

Google Glasses – Um novo conceito de interface para RA

A imprensa tem-se-lhe referido como Realidade Virtual. Não é! De facto é realidade aumentada (RA). Certo é que a proposta de conceito da Google, não sendo revolucionária é uma primeira proposta inteiramente realizável já hoje, no curto prazo, com a tecnolologia disponivel. Pode por isso transformar-se rápidamente em produto. E aí é que está a grande novidade dos chamados “Google Glasses” (óculos Google).
Continue reading “Google Glasses – Um novo conceito de interface para RA”

A visão de Keiichi Matsuda sobre AR

A realidade aumentada, pelo menos nas suas realizações mais ousadas, são ainda dominio quase exclusivamente acamédico. Mas o seu potencial tem sido largamente exaltado, as visões futurológicas das suas aplicações, e as experiência bem sucedidas, têm sido fecundas e, muitas delas, tradizidas para pequenas aplicações do dia a dia.

Continue reading “A visão de Keiichi Matsuda sobre AR”

AR vai chegando às lojas

Há já algum tempo que. depois de aplicações em simulação, em demonstrações, turismo e em informação, iamos vendo experiência variadas com Realidade Aumentada (AR) noutros campos, incluido as situações de grandes eventos de marketing.

O uso da AR em loja e em situações de compra, porém, ainda não tinha passado para a prática.

Continue reading “AR vai chegando às lojas”

Interactive Multimedia em Portugal

Também em Portugal há investigação no campo do Interactive Multimedia.

Claro que isto não é novidade, e já referimos, aqui alguns exemplo de trabalhos desenvolvidos, instalações feitas ou experiências em curso.

Continue reading “Interactive Multimedia em Portugal”

Multi-Touch – Uma história com 30 anos

A história dos interfaces multi-touch, para a maioria das pessoas, reduz-se a meia duzia de coisas que aconteceram nos ultimos dois anos, ou seja, a mesa multi-touch da Microsoft, o iPhone, o iPad e pouco mais…

… e no entanto estes resultados e dispositivos, não passam da espuma de um mundo de experiencias, ensaios, estudos e desenvolvimentos que evoluiram ao longo de quase 30 anos (SIM! 30!!!…).  

 

Continue reading “Multi-Touch – Uma história com 30 anos”

A Digital Escape

 

Degradámos o ambiente e o planeta em que vivemos. Procuramos usar a tecnologia para reparar os estragos e para evitar o seu agravamento. Mas estamos longe da solução e provávelmente não iremos já a tempo. Podemos prever, por nossa exclusiva culpa, tempos dificeis para as  gerações vindouras.

O impacto da sociedade no planeta Terra pode ter atingido um ponto sem retorno. Continue reading “A Digital Escape”

Free Webdesign – O seu site gratuito

A oferta de produção de sites a baixo custo multiplica-se. São estudantes, amadores habilidosos, programadores, freelancers, que sem uma estrutura empresarial, oferecem os seus serviços.

Se bem que sob o ponto de vista de oferta possa ser interessante pelo preço, os problemas surgem depois. É que sem uma estrutura empresarial, sem uma equipa de suporte, muitas vezes sem uma estabilidade de estabelecimento no mercado, uns meses depois, quando o site necessita de ser actualizado ou modificado, quando a empresa necessita de alterar uma morada, um logotipo, uma representada, a descrição de um serviço ou revalidar um alojamento ou um registo de domínio, já não está disponivel quem fez o site.

Continue reading “Free Webdesign – O seu site gratuito”

Art&Tech – Blog de Guilherme Martins

 

 

“Born in Lisbon in 1977, Guilherme Martins is a versatile art director, illustrator, designer and artist. Always interested in new forms of art, Guilherme started early to experiment with various mediums video, photography and drawing. Guilherme has worked for several design studios and ad agencies in Lisbon since 2000. In 2008 he started to collaborate with Rui Horta on visual projections and visual content creation.

As a tinkerer he has a particular interest in experimenting with robotics and electronics in order to create innovative interactive experiments.”

 

 

Continue reading “Art&Tech – Blog de Guilherme Martins”

Então? E o que aconteceu no multi-touch em 2009?

Nada…

Claro que muito aconteceu no mundo do multi-touch. Mas o resutado é… NADA. Porquê? Pois, resposta dificil!

Nada, é pouco, certamente! Mas nada é precisamente o que aocnteceu! Novidades tecnologicas, são quase nulas. Desenvolvimentos de negócio não parecem muito aparentes. Evoluções do mercado não são relevantes!

Que se passou então?

Continue reading “Então? E o que aconteceu no multi-touch em 2009?”

Como elaborar um briefing

6308_hand_draw_strategic_planElaborar um briefing não tem segredos para quem trabalha nas àreas da comunicação, publicidade, marketing e media.

Mas não é garantido que todos saibam elaborar um bom briefing ou que entendam todo o processo. Aqui fica um resumo do básico e de boas práticas.

 

Briefing – Palavra de origem inglesa, com raiz no verbo brief (informar, instruir). Trata-se de um documento escrito, realizado por alguém que dá instruções (anunciante, cliente, designer de comunicação) e que evidencia todas as informações e orientações de base, necessárias para elaboração de um trabalho, projecto ou execução de uma tarefa.

 

Continue reading “Como elaborar um briefing”

Comunity Book – NUI Group

O Nui Group reuniu todos os conhecimentos dispersos sobre as tecnologias open source multi-touch e resolveu publicar um livro, que reune os conhecimentos, projectos e resultados de experiencias dos vários membros, que antes estavam em formato Wiki, espalhados por foruns, em textos do próprio site e textos dos blogs e sites dos seus membros.   

Denominado “Multi-Touch_Technologies” o livro que, por contar com contribuições de multiplas pessoas se chama “community book”, teve o tratamento adequado e foi publicado em PDF, ainda antes de toda a informação nele contida vir a ser de novo revertida para um WiKi que ficará disponivel para consulta publica, sob licença public commons. A edição em papel poderá seguir-se se houver interesse, assim que estabilize a revisão da versão electrónica. 

Continue reading “Comunity Book – NUI Group”

Tinker it – O novo movimento em Physical Computing

Physical Computing não é própriamente uma disciplina, nem da informática, nem da electrónica  nem sequer da engenharia. De facto não é mais que um punhado de conhecimentos de electrónica, sensores, actuadores, microprocessadores e programação que permitem criar pequenos sistemas, de fácil produção, que interagem com o mundo de formas mais sofisticadas que um simples teclado, usando principios da robótica, automação, etc.

Continue reading “Tinker it – O novo movimento em Physical Computing”