A Coca-Cola não gostou de um vibrador!!!

…e com isso interferiu na Experimenta Design 2009, fazendo retirar uma obra da designer Catarina Pestana.

A obra no centro da polémica, denominada “Light My Fire (Acende o meu Fogo)”, é constituida por um manequim feminino dourado, com um vibrador colocado entre as pernas, envergando luvas de boxe, e rodeado de máquinas fotográficas, bips e CDs. O manequim enverga uma t-shirt com a frase “Coca Cola Light Gosta de Mim”. A peça deveria fazer parte de uma exposição, organizada com a Coca-Cola, no Lounging Space da bienal, no Palácio Braamcamp, em Lisboa.

A autora explicou o que aconteceu: “Depois de entregar a peça no Palácio Braamcamp, soube que alguém do marketing da Coca-Cola censurou a peça”. Catarina Pestana contou que “a Coca-Cola ameaçou mesmo fechar a exposição se entretanto a peça não fosse retirada”. No entanto, também segundo a autora, em nenhum momento lhe foram colocadas limitações para a criação da peça, com a qual teve a intenção de “fazer uma elegia, com humor”. 

Ao forçar a retirada da peça desta exposição, a Cocal-Cola exerceu um direito que só lhe vem de ser um dos patrocinadores do evento, e organizador desta exposição em particular, mas a que em Portugal chamamos C E N S U R A. E nós jé tivemos disso que bastasse durante o período fascista… e não gostamos.

Como solução provisória, na altura, a peça foi transportada para o Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, onde foi organizado o evento Waste of Time, também no âmbito da Experimenta Design 2009, ficando à sua guarda, em frente ao qual se realizou nessa noite um leilão da DASEIN.

“Há já pessoas interessadas nela.”, disse a autora. Ainda bem que a Coca-Cola não é perdida nem achada para isso… estávamos bem arranjados, se agora nos tivessemos que sujeitar à censura desta marca (digo eu)!

Mal ficou, em nossa opinião, a curadora da Experimenta, Guta Moura Guedes, directora da bienal, que explicou que “a peça que Catarina propôs não correspondia ao briefing”, e que “isso só foi verificado no dia em que a exposição abriu”, quarta-feira à noite. E depois? Catarina Pestana garante que no briefing não lhe foi dito que teria que fazer um objecto funcional e “não existia qualquer regra de conduta”. O que fez foi “uma peça de comunicação”, num exemplo daquilo a que chama “design emocional”. Para a directora do estúdio DASEIN o que aconteceu é a que o seu trabalho foi censurado pela Coca-Cola, o que “acontece pela primeira vez na Experimenta”.

Finalmente a peça que a Coca-Cola não gostou, acabou por ser adquirida pelo empresário e coleccionador madeirense Joe Berardo. De acordo com a autora, “Light My Fire (Acende o meu Fogo)” foi adquirida para a colecção privada do empresário mas com a possibilidade de ser exibida pela autora em certas circunstâncias a combinar previamente. Uma lição de Joe Berardo. Mas claro… que tem a Coca-cola a ver com isso?…

Referências
Peça com vibrador retirada da ExperimentaDesign
Coca-Cola censura obra na Experimenta Design – DN
Joe Berardo compra peça censurada