Verner Panton, autor de muitas das peças que identificamos como marcas dos anos 60 e 70 (ver o artigo Designers VI – Verner Panton), foi também o criador de extraordinários padrões decorativos, largamente usados na textura das suas peças de mobiliário, em papeis de parede, em texteis, em material grafico, e em geral como grafismo, que se tornou caracterisico da época.

Criados antes do computador como ferramenta de design, a geometria e a repetição obcessiva  de linhas e figuras geométricas que se prolonga até ao infinito, as formas orgânicas detalhadas por padrões de curvas que se prolongam até ao infinito, criando campos visuais que se estendem numa aparente ordem, mas que nos confundem no detalhe, que contrariam a capacidade visual humana, e tendem a uma percepção nada natural de máxima entropia, num universo visual de ordem absoluta.

Os efeitos de profundidade conseguidos, que nos confundem os sentidos e a mente, e a consistência nestes efeitos, mostram como Vernon Paton era efectivamente brilhante. Imaginemos apenas o que poderia ter feito se nessa altura tivesse acesso às ferramentas informáticas que hoje usamos com naturalidade. 

 

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

Patterns of Verner Panton

 

 

Veja também:
Designers VI – Verner Panton