Duas ou três companhias dominam o mercado mundial de software de produtividade. Microsoft e Adobe práticamente estão em todos os PC´s do mundo. A excepção são aqueles poucos dedicados a aplicações embeded, e os que pertencem a meia duzia de fanáticos das alternativas, como o Linux ou outros sistemas operativos alternativos, muitos deles Open Source ou Freeware. Mesmo na maioria dos PC onde o Linux está instalado como S.O. principal, uma segunda partição sempre contém alguma versão do Windows com meia duzia de aplicações.

A ideia da maioria das pessoas é a de que não há alternativa! Acontece que além de COMPLETAMENTE FALSA esta ideia só beneficia os quase monopólios daquelas companhias. Enquanto o público acreditar que em qualquer computador é necessário instalar a suite office da Microsoft, além de se estar a patrocinar o quase monopólio da Microsoft neste campo, fica prejudicado o desenvolvimento das alternativas que sempre existiram e em muitos casos sempre foram melhores que a suite Microsoft.

Além de tudo, muitas das alternativas são mais poderosas, mais estáveis, mais profissionais, e menos carregadas de funcionalidades automáticas. que só prejudicam o trabalho sério, e que só os leigos usam (do tipo de Wizards, auto formatações, caixas de ferramentas pré preparadas mas totalmente limitativas, configurações que só se conseguem fazer através de truques sujos, porque estão escondidas do utilizador comum, etc.)

Já nas alternativas Open Source, ainda que quase mimetizando as aplicações dominantes do mercado, “menos é mais” e as aplicações são mais magras, menos carregadas de automatismos desnecessários e tantas vezes perturbadores. Quem já tentou reformatar uma tabela complexa, com mistos de imagens, texto, formatos diferentes de texto de célula para célula ou outras caracteristicas dificeis,  no Microsoft Word ou criar um documento com texto copiado de sites internet, e depois aplicar-lhe formatações standard? É impossivel, não é? Pois é, porque a aplicação está artilhada para responder automáticamente a situações absolutamente standard, e impede  o utilizador de usar o controlo totalmente manual de formatações, tantas vezes necessário em trabalho mais profissional, em trabalho criativo, ou para um utilizador mais exigente, que em vez de escrever as cartas comerciais e os trabalhos escolares para que a aplicação está preparada, quer editar um livro em formato pronto para publicar em pdf, ou um longo relatório cientifico cheio de tabelas complexas, ilustrações, formatações locais, etc.

Em contrapartida estão disponiveis alternativas em Open Source ou Freeware, e eventualmente em Shareware, a TODAS as aplicações standard. Umas vezes são mantidas por empresas que, por interesse em se manterem independentes das aplicações lideres, preferem assumir os custos de desenvolvimento. Outras vezes são mantidas por comunidades de especialistas em todo o mundo, que por isso mesmo incorporam muito mais daquilo que o utilizador real realmente necessita, e muito menos do que um marketing que tem de vender pensa que necessita. Finalmente temos aplicações que foram totalmente desenvolvidas com o fito de virem a constituir uma aposta de negócio, mas que tendo aquele esbarrado com a concorrência monopolista, acabam por ser entregues ao dominio público, em licenças do tipo GNU, ou OpenSource, e são mantidas por comunidades sem fins lucrativos, por empresas em que a concentração da atenção é na prestação de serviços sobre as aplicações e não na venda da própria aplicação, ou outros modelos que acabam por disponibilizar as aplicações sem custos para qualquer utilizador.

E as equipas de desenvolvimento destas alternativas são muitas vezes infinitamente mais pequenas que as da aplicação dominante, mas por isso mesmo muito mais eficazes, muito mais capazes de apenas se concentrarem no essencial, muito mais atentas à funcionalidade do que ao marketing, mais dedicadas à qualidade técnica que à espectacularidade,  mais preocupadas com a eficiencia do que com o ShowOff de funcionalidades, tantas vezes  inuteis, tantas vezes contraproducentes para o utilizador com exigência acima da média.

As aplicações

Algumas aplicações que dominam neste “mercado” de aplicações alternativas gratuitas são lideres na sua área de funcionalidades. A internet é pródiga em listas de software alternativo. Vale a pena analisar e reflectir se compensa manter o uso de software de elevadissimo custo, quando as alternativas são tão variadas, de tal qualidade, e principalmente: gratuitas.

RECURSOS

The Top 50 Proprietary Programs that Drive You Crazy — and Their Open Source Alternatives
Open Source Alternative
11 Free And Useful Open-Source Alternatives For Designers
10 Excellent Open Source and Free Alternatives to Photoshop
Open-Source Alternatives To Microsoft Office
Open Source alternatives to commercial software (a list)
Free Open Source Alternatives for Adobe Creative Suite