SEO é o acrónimo para Search Engine Optimization e designa o conjunto de práticas e tecnicas usadas pelos profissionais para optimizarem a resposta dos motores de busca a um site.

Porque é isto importante? Simples: porque com tantos sites na internet, a probabilidade de o nosso site específco sair nos resultados de uma pesquisa num qualquer motor de busca é quase nula. Pior ainda, está provado que a quase totalidade dos utilizadores apenas usa os resultados até à segunda página, pelo que é essencial colocar o nosso site entre os primeiros de um resultado de pesquisa. Se o nosso site sai na página 3 ou 4 dos resultados o mais provável é que nunca ninguem o visite. E assim torna-se inutil.

Sair num dos primeiros lugares de uma busca no Google é garantia suficiente do exito de um site, pelo menos no que concerne a trafego. Por essa razão os primeiros lugares são procurados por todo e qualquer negócio, e tornam-se extremamente valiosos, especialmente para quem confia na internet para realizar a comunicação da sua empresa e conduzir para ela vendas que de outro modo seriam perdidas para a concorrência.

Podem manipular-se os resultados da busca?

Manipular propriamente não, no sentido restrito, mas uma vez que os motores de busca usam critérios para estabelecer se um site deve ou não aparecer nos resultados e (mais importante ainda) em que posição dentro desses resultados ele aparecerá, é fácil deduzir que se procura, e pode, optimizar os sites para tirar partido desses critérios.

As questões que se põem são portanto: que critérios são usados pelos motores para escolher os sites que saem no resultado de uma busca específica, e como estabelecem em que posição na lista de resultados o site é colocado. A resposta não é simples, mas podemos tentar.

O que o google indexa

O google indexa essencialmente o texto do site (e isto é verdade para todos os crawlers!). Sobre este texto, encontra palavras relevantes, ou seja, que possam ser usadas nas buscas (keywords). Portanto se pretende um site bem colocado, crie bons conteúdos de texto. Até aqui é simples, mas é o ponto mais importante. São os textos de qualidade que vão ser indexados pelos motores de busca. Tenha conteúdos unicos, originais; não duplique conteúdos de outros sites, pois isso será penalisado, por semelhança. Não crie páginas que não contenham conteúdo original.

Importante é também garantir que o google consegue chegar a todas as páginas do site (a partir do nivel mais alto, o de entrada, mantenha links permanentes para todas as páginas), principalmente se na estrutura do site, elas forem acessiveis apenas a partir de menus em flash ou menus programados, por exemplo com PHP. O mais indicado é estabelecer links permanentes (permalinks, ou URL’s  estáticos) a partir de uma página de “mapa do site”, os quais não dependem de qualquer programação, isto se for possivel, porque por vezes a estrutura é tal, que não é possivel criar este tipo de links.

É um mito a crença de que os crawlers não indexam páginas com conteúdos dinâmicos, ou links dinâmicos. É realmente um mito! E o facto é que os crawlers indexam estes, como qualquer outro tipo de páginas e links. Mas isto vem, em primeiro lugar, de problemas temporários sentidos por alguns crawlers quando certo tipo de links apareceram e se generalizaram, problema este há muito resolvido,  e em segundo lugar de um facto simples: um crawler não pode indexar uma página se ela não é apontada de lugar nenhum! Portanto, garanta que tem as páginas indicadas por links em algum lugar (mesmo que estes sejam links dinâmicos),  e não apenas apontadas através de programação.

Para garantir que as suas páginas são encontradas, e porque nem sempre é possivel criar permalinks para todas as páginas, como já se viu, garanta a existência de um ficheiro Sitemaps.xml. Este ficheiro descreve todas as páginas do site, a sua estrutura e como se chega lá (links de acesso), e  permita ao crawler do motor de busca percorrer todas, e cada uma, das páginas do seu site. Lembre-se que se o seu site está acessivel apenas através de um menu programado, não existem permalinks (URL´s) que o motor de busca possa usar para percorrer as suas páginas. Nesse caso o ficheiro Sitemaps.xml será o único recurso útil, apesar de que de qualquer modo o seu resultado não e garantido. Mas mesmo esse tem que ser construido de modo que o motor de busca o possa usar, e a melhor forma é seguir o protocolo sitemaps, e usar links fixos. Mas este é, apesar de ser necessário ter o cuidado de o ter sempre presente, um último recurso a usar. Mais eficiente é ter uma estrutura de ligação entre páginas que o crawler poss ver imediatamente.

Mas o google olha também (e principalmente, já agora) para as Meta-Tags de cada uma das páginas que encontra, nomeadamente as Meta-Tags “Title”, “Description” e “Keywords”. Por isso mantenha estas Meta-Tags sempre actualizadas. e com conteúdos efectivos e reais. Tente que elas sejam uma descrição exacta da página a que se referem. Não tente enganar o google. A relevância de uma keyword é avaliada pelo google relativamente à sua presença no proprio texto, pelo que não adianta adicionar às TAGS, keywords não existentes no texto, pois a sua relevância será infima. A melhor forma é realmente criar as keywords com base no texto e adicionar apenas os sinónimos e variantes (por vezes também as traduções).

Muito importante: certifique-se de que os seus elementos <título>, no cabeçalho do HTML de cada página, e TODOS os atributos alt são descritivos e rigorosos mas sem exagero; pense nas palavras que os utilizadores poderão escrever para tentarem encontrar as suas páginas e certifique-se de que essas palavras fazem parte do conteúdo do seu site, mas também dos titulos das páginas; crie um site útil e com bastante informação em texto, tudo com conteúdos originais.

Como é a página classificada.

Um assunto diferente, depois de uma página ser indexada no motor, e quando ela é selecionada numa qualquer pesquisa, por o seu texto corresponder a essa busca, é qual a sua posição nos resultados. E aqui entram vários factores em consideração.

O conceito mais importante é o de pagerank. Este é uma classificação atribuida pelo motor de busca ao próprio site e página. Esta classificação depende de vários factores, dos quais os não menos importantes são a qualidade da página (as meta TAG´s correspondem ao conteúdo?), a relavância das keywords (a palavra é usada várias vezes, sem ser excessiva?), os links externos existentes (a sua página é citada por outras páginas que contém link para ela?) e a relevância dos links externos, ou seja, o pagerank das páginas que ligam à sua.

No entanto isto não é pacífico. Páginas com conteúdo repetido de outras páginas são fortemente penalizadas no pagerank. E lembremo-nos que a repetição pode surgir mesmo sem qualquer tipo de cópia. Já se lembrou que o seu site pode ser acedido de várias formas? Por exemplo, se o seu site se chama http://www.meusite.com, ele pode ser acedido de uma série de formas:

http://www.meusite.com
http://www.meusite.com/  (Sim, o slash final pode criar um duplicado!!!)
http://meusite .com (pois é a maioria dos servidores responde também se não se usar o www!!!)
http://meusite.com/ (cá vem  outra vez o slash).

E a situação agrava-se se tiver redireccionamentos para um mesmo site (imagine que tem outro dominio direccionado para o seu site, como por exemplo http://www.meusite_pt.pt

Lembre-se também que em sites programados, o link da página pode ser volátil contendo por exemplo o identificador de sessão que varia de acesso para acesso, gerando uma infinidade de links diferentes para uma mesma página. Neste caso há uma meta-Tag que ajuda, e o seu nome é “canonical”. Esta meta-Tag estabelece para o motor de busca o URL pelo qual a página deveria ser normalmente acedida. Isto clarifica que quando o crawler encontra a página ela é a mesma e não um duplicado, mesmo que o URL de acesso seja outro. 

A questão torna-se ainda mais complexa quando sabemos que os critérios são permanentemente ajustados e modificados de modo a impedir abusos, e manipulação abusiva dos resultados. Os critérios de há um mês atrás podem produzir resultados menos bons no mês seguinte; uma técnica específica de optimização, pode inclusivamente ser catastrófica pouco tempo depois.

É sabido que uma técnica usada há tempo atrás, de introduzir num site dezenas de palavras chave, cuidadosamente escolhidas de entre as mais procuradas nos motores de busca, mesmo que o conteúdo nenhuma semelhança tivessem com o conteudo real do site. Com esta técnica conseguia-se que o site aparecesse nos resultados de quase qualquer pesquisa, mesmo que pouca relevância tivessem os seus conteúdos para o tema da pesquisa. Esta técnica tornou-se rápidamente contraproducente, porque os motores rápidamente estabeleceram critérios que penalizam fortemente os sites que apresentam um grande conjunto de palavras chave, principalmente se esse conjunto é incoerente com o conteúdo detectado no site.

No entanto por cada mudança efectuada meste conjunto de critérios, logo algum profissional que acompanha permanente o comportamento dos motores de busca, auxiliado por cuidadosos estudos estatisticos daquele comportamento, detecta e interpreta as alterações de critérios. A optimização SEO é portanto uma actividade que tem que ser exercida com continuidade sobre cada site.

Gerir links externos

Quanto aos links externos para a sua página, dê-lhes alguma atenção pois são importantissimos. Para os conhecer, recorra ao próprio motor de busca e às ferramentas para Webmaster do próprio motor (para o google estão em Ferramentas para o Webmaster, do Google, e deve registar-se para lhes aceder; depois deve proceder ao registo do site, e ficam disponiveis várias ferramentas de análise;  para o seu registo ficar activo terá ainda que provar que o site é seu, mas google fornece instruções para isso). Depois pode, entre outras coisas, verificar os links que o google considera para a sua página.  

Se está a fazer SEO não se iniba de solicitar a outros sites de qualidade que linkem o seu. Troque links, fazendo o mesmo com eles. Crie na sua página links para páginas de qualidade, com pagerank elevado, e não se iniba de pedir o retorno com um link para a sua (não seja exigente e não faça depender uma coisa de outra).

Não se iniba também de pedir que links existentes sejam retirados, se eles vêm de páginas penalizadas. É que isso só vai prejudicar o seu próprio pagerank. Dê especial atenção a hidden links (links existentes nas páginas, mas não visiveis para o utilizador), como por exemplo os links existentes em imagens. Para o motor de busca estes também são visiveis e contam para o pagerank.

Mantenha a página ou site registado em vários directórios, motores de busca e outros sites genéricos que podem linkar ao seu. Mas evite TOTALMENTE os directorios e sites criados especificamente para fazer linkagem, especialmente os pagos. É que estes já são fortemente penalisados pelos motores de busca e portanto têm um pagerank miserável que só vai prejudicar o do seu proprio site (quando não levam à sua exclusão!).

Algumas ferramentas

Seguindo a sugestão do Frank Marcel (www.frankmarcel.com) acrescento ainda um conselho: siga as estatisticas do seu site e analise o efeito das suas modificações SEO. Algumas ferramentas importantes são o Google Analytics e o Verificador de Pagerank da Mestre SEO:

http://www.google.com/analytics/
http://www.mestreseo.com.br/ferramentas-seo/pagerank/

Este seguimento é o que lhe vai permitir acompanhar o efeito das moficações SEO que vai introduzindo no seu site. Seja sistemático nesta análise. Compare no tempo o que vai acontecendo e relacione esses acontecimentos com as suas acções.

Como faço para optimizar o meu site?

Duas opções possiveis:

1. Entender a forma de trabalhar de um motor de busca, estudar os processos usados, pesquisar as tecnicas que os profissionais vão aconselhando e, cuidadosamente ir aplicando ao proprio site.

O assunto é complexo, as técnicas mudam ao longo do tempo, com a modificação dos motores de busca, a informação disponivel é muitas vezes contraditória, nem sempre disponivel na totalidade, e muitas vezes de proveniencia duvidosa e, portanto, o caminho vai ser longo e dificil. Mas vale a pena tentar, se se sente com vontade de explorar um novo campo de actividade.

2. Recorrer a um profissional é a segunda opção. E há bons profissionais nesta actividade, com reputação estabelecida. Os profissionais podem funcionar como tecnicos web ou apenas como consultores ao desenho ou reformulação de um site. Muitos estão integrados em empresas que fazendo desenvolvimento Web, imediatamente desenham todo o site de forma a que ele à partida seja search engine friendly, procedendo depois a uma optimização que é já mais fácil. Os melhores garantem os resultados, assegurando uma posição X entre os resultados de um conjunto de buscas estabelecidas pelo cliente. Em muitos casos o profissional apenas cobra o trabalho de optimização se os objectivos forem atingidos a 100%. Noutros casos estabelecem uma percentagem de sucesso minimo, para cobrança.

Na Dreamfeel começámos agora aplicar tecnicas de SEO aos sites dos clientes. O número de diferentes situações que nos apareceram foi imenso. O estudo de todas as situações pode ser longo, mas os resultados compensam. Mas mais ainda, compensam se os sites são concebidos logo de inicio com vista a esta optimizaçõ. Podemos pois agora oferecer optimização SEO aos nossos clientes,  desde o design inicial do site. E essa é uma mais valia que qualquer empresa que faça WebDesign deveria ter, e apostar fortemente.

Mais sobre SEO

Para quem quer investigar mais sobre o assunto há bons recursos na Web para iniciar. Um deles é o blog brasileiro mestreSEO ! Nele é de explorar Guia Para o Iniciante em SEO e Tutorial de SEO.

Não menos importante, e uteis, são dois sites em inglês, Webconfs que apresenta a temática SEO, contendo um resumo alargado de todas as tecnicas SEO, no seu Tutorial SEO. Outras secções do site são também extremamente informativas. Em SEO Tutorial temos outro bom tutorial, alem de muitos posts de qualidade sobre o assunto.

E não nos esqueçamos de um classico de há muito: How to Get Good Search Engine Rankings aka “SEO 101: Getting High Google Placement”

Por ultimo convém conhecer o que diz o próprio google, e dois recursos são indispensáveis: Google’s Search Engine Optimization Starter Guide (PDF) e Search Engine Optimization (SEO)

Recursos
mestreSEO
mestreSEO – Guia Para o Iniciante em SEO
mestreSEO – Tutorial de SEO

Webconfs.com
Webconfs.com – Tutorial SEO

SEO Tutorial
How to Get Good Search Engine Rankingsaka “SEO 101: Getting High Google Placement”

Ferramentas para o Webmaster, do Google