No decurso dos Encontros Para a Competitividade – Indústrias Criativas, que decorrem em Serralves, e no ambito restrito do grupo de trabalho “Empreendedorismo  Criativo”, onde estavam presentes empresas de variados sectores da industria criativa, com especial relevo para algumas tradicionalmente presentes no tecido empresarial do norte de portugal (nomeadamente, Joalharia, Textil e Design de Moda), entre outras, e em que nomeadamente se integra a Dreamfeel, foram sendo identificadas várias dificuldades encontradas pelos empresários do sector.

Sendo que muitas das dificuldades não são especificas do sector das industrias criativas, em muitos casos elas são agravadas pela especificidade do mesmo e do seu funcionamento.

É pela percepção destas dificuldades, potenciando a sua resolução, mas promovendo e criando também um clima de networking, de formação permanente dos quadros, de alargamento de horizontes, nomeadamente por participação conjunta em eventos, por representação conjunta do sector, por promoção da colaboração e partenariado entre empresas, e no sentido de promover a reflexão sobre os caminhos a percorrer para ultrapassar as limitações, nomedamente as decorrentes da pequena dimensão e isolamento, que João Ledo Fonseca da Dreamfeel Lda propõs, no ambito deste grupo, a criação de um Clube de Empreendedores das Empresas Criativas.

…João Ledo Fonseca da Dreamfeel Lda propôs, no ambito deste grupo, a criação de um Clube de Empreendedores das Empresas Criativas.

Entre as dificuldades sentidas foram identificadas algumas como a dificuldade de financiamento, de acesso a informação, ou de acesso a mercados.

De outro âmbito, até decorrente da natureza e motivação dos principais  intervenientes na industria criativa (que são os proprios criativos), ficou também patente a dificuldade existente em entender e lidar com os aspectos mais ligados à gestão da empresa (como um negócio) e de projectar e transformar as mais valias geradas pela criação (de todas as naturezas, mas até artistica) em vendas, em acesso aos mercados e em gerar sustentabilidade e capacidade de investimento.

Lidar com aspectos de gestão, de consolidação e crescimento do negócio, aparece como uma dificuldade emergente de várias empresas deste sector. Como causas apontaram-se os fracos componentes de gestão na formação de criativos, mas também uma inexistente percepção, em muitos casos, das necessidade de complementar as competencias criativas com competências de gestão, internas ou externas às empresas, com know how especializado de gestão. Notou-se também alguma ausência de uso de tecnologias, hoje consideradas indispensáveis, e facilitadoras de negócio, como o uso da internet, o networking de empresas e pessoas, o reconhecimento das redes sociais e o partenariado como forma de potenciar a capacidade empresarial e de acesso a mercados, tecnologias e desenvolvimento do negócio.

Em muitos casos a pequenissima dimensão das empresas é também um factor limitativo, no sentido de que não permite a coexistência interna das variadas competências que concorrem, e são necessárias, ao funcionamento com exito de uma empresa, como negócio, e limitam a capacidade de manter informação e acção especializada nos vários aspectos necessários (nomeadamente no ambito de gestão financeira, de marketing, de R&D, etc.), e inviabilizam o estabelecimento de práticas essenciais ao bom funcionamento e posicionamento perante a envolvente, pela ocupação e dedicação integral ou quase integral das pessoas aos aspectos de criação, que são a sua maior motivação.

Entrada da Fundação de Serralves

Um Clube de Empreendedores poderia promover o diálogo, a cooperação, o networking, a formação, a consultoria, a identificação de boas práticas, de soluções, de desafios e tendencias, mas poderia ser também um agregador de vontades que permitisse obter massa critica para o lançamento de acções para que individualmente os empreendedores não possuem capacidade e dimensão: criação de imagem comum, projecção nos mercados, nomeadamente no mercado global, estabelecimento de parcerias comerciais, de marketing, de R&D,  de branding, enfim, uma infinidade de acções que só com alguma dimensão das organizações se pode obter.

Um Clube desta natureza poderia inclusivamente ser o motor, do lado dos empresários, da criação de condições para a mais rápida concretização do cluster de industrias criativas que é afinal a motivação destes encontros. 

O desafio está lançado, no ambito restrito deste grupo de trabalho, e será lançado para todos os participantes nos restantes grupos de trabalho destes encontros, na continuação das sessões. Vamos agora ver como reagem todos os participantes, mas com a esperança de que uma ideia desta natureza terá, sem sombra de duvida, uma adesão quase unânime.

Recursos:
Industrias Criativas em Serralves